Sobre mim

Meu nome é Iris, tenho 21 anos e sou autora dos livros Confissões on-line e Dividindo Mel. Sou estudante de Comunicação Social, trabalho com livros e adoro falar sobre música, literatura e comportamento.

Confissões on-line

Confissões on-line é meu segundo livro e será lançado em novembro de 2013. Saiba mais

Adicione no Skoob e Goodreads.

Agenda – 2014

Em 2014 farei eventos para lançar meu livro em várias cidades do Brasil. Os eventos abaixo já foram marcados, fique de olho para saber se sua cidade terá um evento.

22/03. Curitiba
Livrarias Curitiba - Shopping Palladium
Horário: 10h00 (Dez da manhã)

25/04. São Paulo
Saraiva - Paulista

10/05. Recife
Saraiva - Shopping Rio Mar

Quer um evento na sua cidade? Entre em contato com a @Generale_ED e peça evento na sua cidade!

Dividindo Mel

Dividindo Mel é meu primeiro livro e foi lançado em dezembro de 2011. Saiba mais.

Adicione no Skoob e Goodreads.

Instagram

Siga no instagram: @irisfigueiredo

Search Results for: label/Paula Pimenta

Entrevista: Paula Pimenta

É com muita alegria que eu anuncio a primeira entrevista do 365 livros por ano. E não poderia ser ninguém melhor que a Paula Pimenta. Não sabe quem é a Paula? Ela é autora de Fazendo Meu Filme 1 & Fazendo Meu Filme 2, que já foram resenhados aqui no blog.

Paula é publicitária não praticante, professora de música; compositora, cantora e escritora. Ufa! Ela também é dona da maior comunidade da Meg Cabot no Orkut, fã assumida da escritora. Para vocês verem como ela é chique, até a Meg já ganhou o livro dela.
Então, vocês tem noção da super responsabilidade que é entrevista-la, não é? Mas ela foi super fofa e respondeu todas as perguntas que eu mandei para ela por e-mail (depois de uma discussão via twitter minha e da Carol Christo, pra ver quem a entrevistava primeiro! HAHA).

Nessa entrevista ela nos conta o que de parecido ela tem com a Fani, planos para depois de Fazendo Meu Filme, o que nós podemos esperar para o terceiro volume… Ai ai ai, a Paula falou tantas coisas legais que fica difícil enumerar aqui! Mas é só vocês lerem a entrevista e vão entender do que estou falando.
E se você ainda não leu Fazendo Meu Filme, não sabem o que estão perdendo. Tem coisa muito boa no nosso Brasil, e Fazendo Meu Filme é só uma delas.

Encontre a Paula: Twitter, Formspring, Site e Site do Livro.

 



Escrever sempre foi um sonho?
Sempre! Quando criança, eu tinha mania de fazer livros “artesanalmente”, eu fazia poesias, grampeava e dava (ou vendia!) para os familiares! Depois fiz faculdade de Jornalismo (embora tenha mudado pra Publicidade no meio do curso) para profissionalizar esse amor pela escrita, mas aos poucos eu percebi que o que eu queria mesmo era escrever “com emoção” e não imparcialmente. Publicar um romance realmente foi um sonho que se realizou.

O que te inspirou a escrever Fazendo Meu Filme?
Acho que – em partes – a minha própria vida e a de algumas amigas. Acredito que todas as pessoas tenham na lembrança alguns acontecimentos dignos de livros ou filmes, basta que a gente insira um pouco de imaginação para que as cenas fiquem um pouco mais coloridas. E foi assim com “Fazendo meu filme”. Passei por muitas coisas que escrevi no livro 1, mas – em certo momento – a história tomou um rumo próprio, desviou da minha e passou a ser a vida da Fani.

O que podemos esperar para o terceiro volume de Fazendo Meu Filme?
A Fani vai ter que amadurecer ainda mais. Agora, ela vai ter que pensar se o melhor pra ela é realmente fazer faculdade de Cinema, vai ter que readaptar à antiga vida e, como conseqüência disso, passar por alguns conflitos familiares, já que – por estar acostumada a tomar decisões sozinha – não vai gostar muito da idéia de ter que voltar a obedecer aos pais. Pela primeira vez na vida ela vai passar pela experiência de um namoro sério (o Christian foi só um passatempo, né…) e vai ter que viver situações inteiramente novas por causa disso. Alguns personagens que apareceram no livro 2 irão continuar no 3, em maior ou menor grau, como o Christian e a Ana Elisa.

Eu vi você dizer que se o terceiro ficar muito grande podemos esperar um quarto livro. Quando começou a escrever o primeiro, você esperava que fosse chegar a tanto ou achava que ninguém ia comprar?
De jeito nenhum! Eu achava que o meu livro só ia servir pra enfeitar a estante do quarto das minhas amigas! Um dia depois do lançamento, eu fiquei até meio deprimida, pois eu havia esperado tanto por aquele momento e de repente ele tinha chegado e passado… Aí minha mãe, vendo minha tristeza, falou pra mim: “Lembra da frase da Fani no final do livro… Isso é apenas o começo, o filme está apenas começando…” E ela estava certa. Logo começaram a chegar vários e-mails e scraps de leitores elogiando, comecei a ser convidada para dar palestras em escolas, recebi pedidos e mais pedidos para escrever o livro 2… Esse retorno todo foi uma surpresa MUITO boa!

Sempre dizem que as personagens têm alguma coisa da gente. O que da Fani há em você?
Muita coisa. Assim como ela, eu adoro filmes e prefiro ficar em casa a sair para lugares cheios. Também sou muito tímida, ansiosa, e quando adolescente eu tinha vários amores platônicos… (Mas minha mãe é muito mais legal do que a dela!)

Você acabou pegando ou aprendendo algo com a Fani?
Foi com a Fani que eu peguei a mania de colecionar DVDs. Eu já tinha alguns, mas virou “vício” mesmo depois que escrevi o livro.

Qual foi a maior dificuldade para publicar o livro?
Eu queria publicar “Fazendo meu filme 1” de qualquer jeito, mesmo que fosse de forma independente. Porém, resolvi esgotar as possibilidades nas editoras antes. Nas duas primeiras que eu fui, nem quiseram ler o meu livro. O dono de uma delas falou inclusive que “adolescentes não leem livros grossos”! Na época não tinha Crepúsculo ainda, mas tive vontade de perguntar se ele nunca tinha ouvido falar de Harry Potter, pois o sexto volume da série tinha acabado de ser lançado e tinha o dobro do tamanho do meu livro! Mesmo depois que consegui uma editora, tive que esperar quase dois anos pra ter o meu livro publicado, pois havia um cronograma de publicações que precisava ser respeitado. A maior dificuldade foi essa, o começo, pois as editoras brasileiras são muito resistentes a publicar livros de autores iniciantes.

Você acha que os leitores e as editoras tem preconceito com autores brasil
eiros?

Sim. Nas editoras isso acontece porque é mais seguro simplesmente comprar os direitos de um livro que já tenha sido sucesso no exterior e traduzir, do que publicar um livro de um autor desconhecido, que ainda não seja garantia de vendas. Isso acontece também com os leitores. Infelizmente, no Brasil, a gente tem uma mentalidade de que “o que é importado é melhor”. Então são poucas as pessoas que dão chance a autores nacionais. Assim como as editoras, elas acham que é mais garantido um livro estrangeiro ser bom do que um brasileiro. Está na hora da gente mudar isso.

Tem algum personagem preferido ou algum que goste menos?
Acho que minha queridinha é a Fani mesmo, mas eu gosto de todos os personagens, até a Vanessa tem um lado bom. Se eu tiver que escolher um pra dizer que gosto menos, acho que seria a mãe da Fani. Não gosto de pessoas que se preocupam demais com o que os outros pensam, mas mesmo tendo característica ela me diverte, eu ri muito escrevendo os e-mails que ela manda para a Fani no livro 2.

Como você seleciona os trechinhos que abrem cada capítulo? Você os escolhe antes ou depois do capítulo pronto? Ou eles são um guia para o capítulo?
Seleciono só depois que o livro já está todo pronto. Depois de terminar todos os capítulos é que eu vou em busca de citações que combinem. É uma das partes que eu mais gosto, pois tenho que rever vários filmes lindos… O pior é quando eu vejo duas citações no mesmo filme que se encaixariam perfeitamente. Quase morro por ter que deixar uma pra trás, é uma escolha bem difícil!

Como você se sente sendo comparada à Meg Cabot, que é uma autora teen super conceituada?
Me sinto muito honrada, pois a Meg é minha “ídola” máxima, sou muito fã mesmo. Ela é minha maior influência, e tudo que ela escreve eu devoro e indico. Talvez seja por isso que o estilo dela tenha ficado inerente ao meu jeito de escrever. Acho que quando a gente lê demais os livros de um certo autor, acaba pegando um pouco do jeito dele… Mas na verdade eu considero a Meg incomparável…

Você fez intercâmbio e morou nos Estados Unidos e Inglaterra. As experiências vividas pela Fani foram as mesmas que você viveu? Nos conte alguma coisa que a Fani passou e você também.
Meu intercâmbio foi bem diferente do da Fani… Eu fui para os Estados Unidos e morava em uma cidade muito pequena, na Pennsylvania. Eu tinha – como a Fani – dois irmãos (eles eram gêmeos e tinham 13 anos), e uma irmã (mas ela não era nem um pouco como a Tracy, era bem séria, namorava firme há um tempão). O que passei de mais parecido com a Fani realmente foi a saudade de casa… e eu também deixei um amor pra trás. Ah, e quando voltei para o Brasil, meus amigos também estavam me esperando com uma faixa de “welcome back”!

Vários anos depois, fui morar na Inglaterra, mas eu já não era adolescente, então foi uma experiência bem diferente. Acho que a única coisa igual foi o frio que eu passei… No começo, assim como a Fani, eu quase congelei! :)

Depois de Fazendo Meu Filme, pretende escrever mais?
Pretendo, sim! Eu já tenho uma idéia para outra série, bem no estilo de “Fazendo meu filme” e também para outro livro (único), com uma protagonista um pouco mais velha.

O que é mais te deixa feliz em relação ao livro?
Sem dúvida nenhuma o retorno dos leitores! Cada e-mail ou scrap que recebo é uma espécie de recompensa. Já até chorei ao ler alguns comentários. Como eu disse, eu não esperava que fosse ser assim, estou realmente muito feliz.

Você acha que brasileiros tem lido mais?
Acho que especialmente os adolescentes brasileiros têm lido mais.

Recomende um livro ou autor.
Recomendo os livros da Meg Cabot. São perfeitos.

Deixe uma mensagem para quem ainda não leu Fazendo Meu Filme.
Não só sobre “Fazendo meu filme”, mas sobre livros no geral: Não deixem para ler só depois que virar filme*… os livros SEMPRE são melhores do que os filmes!
*Se vai virar filme? Não sei… teremos que esperar pra ver os próximos capítulos da vida da Fani! :)

Promoção Fazendo Meu Filme. – ENCERRADA

Estou MUITO feliz por trazer essa promoção para vocês. Modéstia lá na China, essa vai ser uma das melhores promos. Em parceria com o Confessions of A BookGeek e a Paula Pimenta, vocês vão levar para casa Fazendo Meu Filme autografado e um DVD da videoteca de Fani (qual DVD é uma surpresa, mas é um dos listados no início de Fazendo Meu Filme 1). Acho que é muito legal para fazer vocês entrarem no clima da história, que se tornou uma das minhas favoritas.

Antes de tudo, a Paula tem um recadinho para vocês:
O vencedor será escolhido em forma de sorteio através do site Random.Org e tem que seguir as regrinhas abaixo.
  • Ser seguidor do 365 Livros por Ano e do Confessions of a BookGeek. Para seguir basta ter uma conta Google, Yahoo ou no Twitter e clicar no botão seguir. E pronto.
  • Seguir a Paula Pimenta no twitter.
  • Você deve preencher o formulário do Google Doc’s.
  • A cada divulgação, preencha um formulário novo. Caso seja a primeira vez que esteja preenchendo o formulário, por favor, deixe o campo de divulgação em branco.
  • Tem que ser residente no Brasil ou ter um endereço de entrega aqui para receber o prêmio.

Divulgando:

No blog: Você pode criar um post especial falando sobre a promoção ou colocar o banner na sidebar ou em um local específico. Ou pode fazer tudo isso. Mas mande o link de onde está a divulgação. A divulgação deve permanecer até o resultado da promo ser divulgado.

No twitter: @PaulaPim, @CarolChristo e @Iris_Figueiredo estão fazendo uma super promo de Fazendo Meu Filme! http://migre.me/FFEt http://migre.me/FFF8

Só é válido uma divulgação no twitter a cada 24 horas, ok, meninas (os)? :}

 As inscrições vão até 17 de junho, às 20 horas! Comentem aqui e no blog da Carol dizendo o que acharam da promoção, e siga a gente no twitter também.

Por aí: Melhores posts da blogosfera literária

Imagem: We Heart It

Esse post vai ser um pouquinho diferente. Eu ando lendo uns posts muito úteis em blogs super bacanas e acho que vale a pena conferir ou ter sempre “à mão” para caso de dúvidas. São artigos e explicações sobre literatura, e outros posts legais e úteis. Vale a pena deixar favoritado e mostrar para outras pessoas. Se vocês viram outro post legal que merece ser lido, me indiquem para que eu possa ler.

Não deixem de visitar e ler, e caso usem algum deles como citação, não deixem de consultar o autor do post sobre o uso do texto, certo?

Esse post é simplesmente EXCELENTE. A Carol discorre sobre um assunto de muito interesse: os nossos escritores e o reconhecimento que nós damos a eles. Se você ainda tem preconceitos com literatura brasileira, é melhor dar uma lida nele. E fora isso, é um post que todas as editoras deveriam ler. Vale dar uma olhada nos comentários também, pois os visitantes arrasaram nas opiniões.
Você sabia que o Chick-Lit tem vários subgêneros? Não? A Jú te ensina nesse post excelente a diferença dos subgêneros do Chick-Lit. Você vai descobrir o que é Hen Lit (que eu não fazia a mínima ideia!), saber a diferença entre os tipos de Glamour Lit e outras coisas. Ainda descobrir que um livro pode estar enquadrado em vários subgêneros. Recomendo como fonte de pesquisa e para matar a curiosidade.

A Paula Pimenta, autora de Fazendo Meu Filme e já conhecida de todas nós, fala sobre digitalização de livros. Um post muito interessante. Além disso, ela fala das dificuldades do mercado editorial para escritores brasileiros, o que me faz reforçar o coro: apoie nossos escritores nacionais. Diga não à digitalização de livros, porque atrapalha e muito o trabalho deles. E assim, atrapalha a gente, que ficamos sem livros fantásticos feitos por nossos brasileiros.

Muita gente tem dúvidas quanto compras virtuais, ainda mais sendo o caso da Estante Virtual, que é um sebo online. A Pâm explica direitinho como comprar no site, como saber sobre o estado do livro e outros. Muito bom para quem ainda não se arrisca pela Estante Virtual por medos no estilo: “E se o livro vier rabiscado, sem capa, etc?”.

Então, esses são quatro posts que eu considero muito úteis e interessantes de se ler. Óbvio que existem mais posts que não estou lembrada agora, mas que são muito interessantes de serem lidos. Fora da blogosfera literária, acho legal ler “As Partes Boas e Ruins de Ter um Blog” no Sweetest Person Blog. Também tem um, mais voltado para o mundo da moda, mas muito legal sobre as diferenças dos blogs brasileiros e estrangeiros, no Fashion Gazette.

Bom, esse post foi mais uma dica de posts legais, de noite eu espero voltar e trazer a resenha de Beijo das Sombras, pro Especial Vampire Academy. Era para ter ficado pra ontem, mas infelizmente eu estava enlouquecida com um trabalho aqui.

Estrela Píer – Kamila Denlescki

Estrela Píer – O Tempo, A chuva, O Outro
Autor: Kamila Denlescki
Editora: Novo Século
Páginas: 235
Ano: 2009
Nota:

Sinopse: Lucia tem uma vida monótona e previsível até vencer o concurso mais cobiçado do momento.
Não apenas ganha uma viagem para Londres, como também um jantar com o ator inglês Richard Clevehouse.
O que era sorte, entretanto, muda de cor. Richard, o belo ator de olhar sombrio, guarda um segredo: a vida de Lucia corre perigo. E ele fará de tudo para protegê-la, mesmo que, em troca, tenha de sofrer muito mais do que espera.
Das certezas, apenas uma:
Não há para onde fugir!
A curiosidade me matou quando eu vi a seguinte frase: “Nunca se apaixone pelo vilão” estampada no skoob. A propaganda de Estrela Píer me chamou atenção desde aquele dia. Uma coisa que me intrigava era que não eram fornecidas muitas informações sobre o enredo, em nenhuma resenha ou sinopse.
Quando o livro chegou na minha casa com a seguinte frase assinada na primeira folha: “Espero que Estrela Píer faça seu coração bater bem rápido. Com Carinho, Kamila,” eu não sabia o quanto ele ia bater rápido.

A história começa meio tímida. A vida de Lucia parece completamente normal e monótona. Mas cada detalhe que Kamila solta durante o livro nos deixa mais intrigada para o final e algumas pistas ficam martelando na sua cabeça.
Uma coisa que gostei é que a história conseguiu atingir um nível de imprevisibilidade. Não dá mesmo para imaginar o que vai acontecer. Você tem ideia, mas nunca – pelo menos eu, mas eu tenho mente limitada, então HAHA – pode imaginar o que acontece no final de fato.
E o final nos deixa cheias de curiosidade para o próximo volume.

Uma coisa é certa, eu não fazia a mínima ideia do que me esperava, o que deixou a leitura mais deliciosa. Por isso, não, eu não vou contar nenhum segredinho de Estrela Píer para vocês. Para que, como eu, vocês se apaixonem também pela história e fiquem ansiosas para descobrir o que vai acontecer como eu.
Agora eu entendo porque todo mundo que resenhava Estrela Píer não falava nada sobre o que acontece. Foi uma temática já conhecida, mas porém, diferente. A abordagem foi muito interessante e plausível.

O que eu mais gostei foi como a história foi bem amarrada. Os detalhes estavam bem ligados entre si, a Kamila não deixou furos. Ela deixou sim coisas soltas para a continuação, mas algo que só me faz ter mais vontade de ler o próximo volume.

Eu gostei muito da Lucia. De praxe, me irritei com ela algumas vezes, mas pouquíssimas comparado à outras heroínas. Eu gostei porque ela demonstrou coragem diversas vezes.
Não preciso nem comentar sobre o Richard. Adorei o personagem, embora ele seja muito protetor em alguns momentos não é aquele tipo de proteção fabricada e irritante. E é totalmente diferente do que eu imaginaria.

Eu tenho que fazer uma reclamação: o livro é pequeno, me deixou com gostinho – gostão se existisse – de quero mais. MUITO MAIS. Como só cheguei em casa de noite e ainda tive que fazer uns exercícios para a faculdade, eu comecei a ler e não queria ir dormir. Minha mãe que teve que me obrigar a dormir. No dia seguinte, acordei cedinho e terminei! Eu queria logo saber o que acontecia. Outra coisa é que quase me rendi a roer minhas unhas – e é tão difícil as manter assim!

Para as que ficaram curiosas com a história, eu deixo avisado que em breve vocês terão uma surpresa. Portanto, quem comentar nesse post ganhará um bônus nessa surpresinha. E quem comentou em posts anteriores também (mas não vale comentar em post antigo, espertinhas. Eu sei muito bem, ok?).
A Kamila é um novo nome da nossa literatura, uma fofa e que escreve super bem. Merece todo o sucesso e reconhecimento. E eu realmente espero que nossa literatura cresça e seja mais reconhecida, e que surjam novos talentos como a Kamila e a Paula Pimenta, que tem feito livros super legais para o público adolescente.

No blog Estrela Píer você encontra os links de onde comprar.